"É preciso que todos os homens permaneçam seres humanos durante todo o tempo em que estiverem vivos." Simone de Beauvoir

4 de jun de 2014

Artrite reumatóide: principais manifestações clínicas e fisioterapia

Como já foi comentado aqui sobre Artrite Reumatóide, abordarei nessa postagem as principais manifestações clínicas da doença, ou seja, as principais manifestações articulares e extra-articulares; os sinais e sintomas mais frequentes no paciente diagnosticado com artrite reumatóide.

Muitas vezes os sintomas iniciais estão relacionados às queixas de fadiga, dor muscular difusa e generalizada, fraqueza e perda de peso. Lentamente, os sintomas nos músculos esqueléticos vão se localizando em articulações específicas como o punho, o joelho, articulações dos dedos, das mãos e dos pés. Essas, geralmente, são as mais acometidas. Quando há complicações na coluna vertebral, normalmente limitam-se à coluna cervical, ocasionando dor nessa região.
A rigidez e a dor intensa que podem ocorrer após longos períodos de repouso (rigidez gel pós-repouso) têm uma duração aproximada de 30 minutos a várias horas. Essa característica difere da Osteoartrose, onde a rigidez pós-repouso dura cerca de 30 minutos apenas.
Com a progressão da doença são comuns o surgimento de algumas deformidades articulares, como as listadas a seguir:
  • Deformidade em pescoço de cisne:
     Hiperextensão da articulação interfalangiana proximal e flexão parcial da articulação interfalangiana distal.

Deformidade em Cisne
  • Deformidade em boutonnière:
     Flexão da articulação interfalegiana proximal e hiperextensão da articulação interfalegiana distal.

Deformidade em Boutonnière 
  • Dedos em garra ou dedos em martelo
A inflamação das metatarsofalangianas pode causar subluxação das cabeças dos metatarsos e causam essas deformidades mais comuns no pé de pacientes com artrite reumatóide.
Dedo em garra
Dedo em martelo
Em relação às manifestações extra-articulares, apesar de muitas delas serem incapacitantes, algumas têm tratamento a longo prazo. Logo abaixo, os principais sinais e sintomas da artrite reumatóide em estágio inicial:
  • Rigidez articular;
  • Dor articular;
  • Fadiga;
  • Fraqueza;
  • Depressão psicológica;
  • Edema;
  • Eritema palmar;
  • Pele úmida e fria;
  • Atrofia cutânea;
  • Atrofia muscular;
  • Contratura articular;
  • Nódulos;
  • Hérnia sinovial;
  • Perda de peso.
Uma outra manifestação comum da doença é o nódulo reumatóide. Essas lesões ocorrem usualmente em áreas de pressão, tais como a face extensora do cotovelo e dos dedos e o tendão de calcâneo, mas também podem ocorrer no coração, nos pulmões e no trato gastrintestinal. Os nódulos nesses órgão podem causar sérios problemas como arritmia cardíaca e falha respiratória.

E quais os principais objetivos da fisioterapia e seus recursos no tratamento de pacientes com artrite reumatóide?

Além das orientações do paciente e seus familiares sobre a doença, o tratamento fisioterápico  envolve objetivos que visam, principalmente, a sua capacidade funcional por meio de redução da dor, manutenção ou aumento da amplitude de movimento e da força muscular, promoção da estabilidade articular e redução da sobrecarga biomecânica sobre as articulações, aumento da resistência por meio do condicionamento cardiorrespiratório, promoção da independência para atividades de vida diária, melhora da eficiência e da segurança na marcha.
Assim como no tratamento da osteoartrose na sinovite reacional, na fase aguda da artrite reumatóide também consiste num período de repouso, o qual não deve ser muito prolongado (de até 2 horas durante o dia para eliminar a fadiga corporal e proteger as articulações envolvidas), e na orientação para a prevenção de deformidades como mostradas anteriormente.
Muletas, bengalas ou andadores também podem ser indicados para reduzir o estresse da descarga de peso e aumentar o equilíbrio. Os splints podem ser aplicados durante o repouso para prevenir movimentos excessivos e reduzir o estresse mecânico.
*Alguns exemplos de órteses para pacientes com artrite reumatóide:



Visto que o processo inflamatório resulta na destruição articular progressiva, o controle inflamatório deve ser o primeiro procedimento, associado ao repouso, às órteses e ao gelo, que também podem ser usados durante a fase aguda.
Exercícios para prevenção de contraturas, melhorar força e flexibilidade e aumentar o condicionamento aeróbico são componentes importantes para o programa de reabilitação. Vale lembrar que deve ser mantido um equilíbrio entre o repouso e as atividades. Uma observação a ser feita é que podem existir períodos nos quais os exercícios ativos devem ser evitados , mas o alongamento passivo permanece importante para prevenir as contraturas. A hidroterapia também pode ser benéfica para o condicionamento, o fortalecimento e a flexibilidade, pois o estresse mecânico permanece reduzido nas articulações imersas.
Leia mais sobre os efeitos da hidroterapia aqui: Efeitos da hidroterapia na prevenção de quedas.

Obs.: A cirurgia pode ser indicada nos casos em que o cuidado conservador é insuficiente  com relação ao controle de dor e ao nível de função, ou quando a progressão da destruição articular é incontrolável.

Saiba mais sobre artrite reumatóide:  Treating Rheumatoid Arthritis_The Past, Present and Possible Future

Referências:

- Rebelatto, J.R.; Morelli, J.G.S. Fisioterapia Geriátrica: A Prática da Assistência ao Idoso. Editora Manole. 2ª Edição; 2007.

- Link: Arthritis Health_Trusted Information for Arthritis Relief


Nenhum comentário:

Postar um comentário